domingo, 14 de abril de 2013

Maior ou menor?

Recentemente o assassino de um rapaz completou 18 anos dias depois do crime. Como ,pela lei, ele  cumprirá 3 anos de reclusão em instituição para menor e , depois disso, sua ficha será limpa, algumas pessoas pelas redes sociais tem se manifestado a favor da diminuição da maioridade legal para tais crimes.

E isso me fez pensar.  De novo.

As câmeras de SEGURANÇA do prédio da vítima registraram o crime. Coitado do rapaz! coitados dos pais que perderam esse filho por conta de um celular, celular, aliás, que o rapaz deu,entregou ao bandido, mesmo assim, levou um tiro.  E o que me causou espanto foi o fato que a imagem registrada dá a impressão de quem está entrando para o presídio é a vítima! O prédio com câmera de segurança , cercado de grades, como uma prisão.
Está tudo errado!
E o erro não está na idade do criminoso que cumprirá 3 anos de reclusão em estabelecimento para menor.  É claro que o fato do menor não ser imputado o torna alvo de maiores que transformam menores carentes em uma legião de bandidos que nos deixam de mãos e corações atados. E qual a escolha da criança? Mora num antro onde a única chance de alegria é dada pelo tráfico, seja em forma de chiclete,cola ou status, e ai dele caso se recuse a participar do chamado!

E o que nós cidadãos estamos fazendo? Sim, porque os governantes ligaram o dane-se há muito tempo! Foram criando ilhas de segurança para alguns abastados , meteram-se em seus helicópteros e , como diria o personagem Justus Veríssimo "que o pobre se exploda". É filho do ricaço que, ao sair de uma noitada,  atropela e mata um senhor que está fazendo sua ginástica matinal e fica por isso mesmo. É o filho do outro  ricaço que mata um ciclista e o justiça desconsidera o laudo e, sim, ambos são maiores. Ah! mas o menor da periferia.. para ele não tem perdão. Ele não usou um carro, é verdade, usou uma arma, coisa feita pra matar, o carro não foi feito pra matar. Culposo e doloso são coisas diferentes. Mas e a justiça é a mesma?

Ok, reclamei.  E o que fazer?
Precisamos cuidar de nossas crianças! precisamos cuidar de nossa sociedade, de nosso povo!
Para mim que saí da cidade grande é óbvio que a nossa solução urbana é caótica. É óbvio que a periferia vai continuar à margem de qualquer ação governamental, salvo algumas UPPs nas comunidades mais próximas das zonas ricas da cidade.  Precisamos de ação.

Então, visto que:

O Governo não se encabula na hora de derrubar prédios para seus intentos, sejam estádios ou viadutos.
As cidades estão inchadas.
A vida na periferia é sub humana!
Os ricos ficam impunes enquanto os pobres são punidos diariamente.
O Brasil é enorme.

Então, o Governo deveria chamar um bando de empresários para construírem grandes coisas em regiões que precisam de Grandes Coisas. Que grandes coisas? Qualquer uma. Fábrica, parque de diversão, estúdios de filmagem, qualquer coisa! os ricos sabem o que fazer. São ávidos e criativos.  O governo dá o terreno e os ricos inventam. Mas não de qualquer jeito!   a mão de obra virá da periferia das cidades. Preparação de mão de obra!
As prefeituras  enquanto isso transformam as comunidades, assim como fizeram as UPPs mas abrindo ruas, construindo praças, escolas, estádios, campos de futebol, afastando as casas umas das outras, avaliando a construção, da mesma forma que tiraram as pessoas que moravam nos lugares dos viadutos só que , em vez de desvalorizar as propriedades com carros passando pelas janelas, valorizando-as!  Criando quarteirões! Estabelecimentos comerciais. Postos de saúde. Estabelecimento comerciais. Ruas largas por onde possam passar caminhões de bombeiros quando necessário.

Os voluntários poderão vender seus imóveis , caso sejam proprietários para o governo  e este ainda providenciará emprego  e casa lá na Grande Coisa.  As crianças que vão estudar na Grande Coisa já vão estar em outro ambiente! Vão estar em ambiente de escolas com horário integral, lazer, trabalho, construção!  E a periferia vai virar uma comunidade verdadeira, com sua arte, sua vizinhança, esgoto, policiamento.
Bandido? se o crime não for de morte, vai fazer trabalho comunitário. Quero ver o ricaço infrator trabalhando na obra, sendo lixeiro, dando diariamente horas de seu dia na vida real. E pagando, claro, porque é rico e pode pagar.

Se for de morte, cadeia segundo a lei. E os menores? Devem ser tratados diferenciadamente conforme a idade por conta da periculosidade e compleição física. O menino de sete anos tem que receber tratamento diferente do garoto de 15, é tão óbvio. E vamos , principalmente, discutir isso! ampla discussão social! que tenhamos várias ideias mas que as tenhamos. Não fiquemos trancados nas nossas grades reclamando do go verno e exigindo mais leis. Deixando só que os bons pastores enfrentem o crime organizado.  Cadeias humanizadas, sem superlotação; infrações pagas com trabalhos comunitários verdadeiros; construção de Grandes Coisas Brasil afora; reurbanização da periferia com incentivos para mudança. Morar assim é desumano! Não foi só o bandido menor que matou o jovem: fomos todos nós com nossa omissão.