quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Sinestesia

Ontem vi um programa na tv que me impressionou. Falava sobre pessoas com habilidades especiais. Entre elas Elizabeth Sulston,  uma jovem de 27 anos , flautista, que vê cores nos sons, nas palavras e sente o gosto dos sons. A letra A ,por exemplo, é branca. Sua sinestesia é tão forte que chega a atrapalhá-la. Todos os sons tem cores, então, ela caminha num universo paralelo e se sente só.
 


Além disso, como todos os sinestésicos, que não são muito, sua memória é melhor do que a das pessoas comuns. E os gostos que os sons lhe dão também nem sempre funcionam juntos. E seu próprio nome, Elizabeth, tem gosto de bolo de chocolate cremoso. E ela não pode dividir isso com ninguém.



Porém sua habilidade chegou ao conhecimento de alguns pesquisadores. Assim, levaram-na para Londres, fizeram testes, viram que seu cérebro realmente apresenta diferentes conexões e, mais do que isso, aliás, melhor que isso: apresentaram-na a outros sinestésicos. Um deles também sentia gosto ao ouvir sons.



Ela se aproximou rindo do grupo. Seu rosto brilhava de felicidade e o grupo também demonstrava que não conseguiriam parar de sorrir.  Com uma especial felicidade conversavam.

- Veja! ela trouxe uma linda cor amarela! –saudou uma das mulheres.

E outra:- a voz grave, é marrom! E outra concorda feliz e abraça o filho  e repete como que para convencê-lo, viu? é marrom!

- Seu nome tem gosto de chocolate de creme- falou o homem.

- E o seu de pizza.

-É verdade! Pizza e chocolate não combinam.. Vamos a uma ópera?

-sim, claro!

-Você toca algum instrumento?- perguntou uma senhora.

-Flauta e oboé- respondeu Elizabeth  e continuou: veja, eu fiz um desenho das 4 estações de Vivaldi

Dizendo isso, abriu uma folha de papel onde várias cores se apresentavam  no fundo, e , sobre esse fundo, curvas de colorido mais forte. Todos se debruçaram sobre o papel e riram felizes.

Elizabeth e Jack foram a um concerto. Uma jovem maravilhosa cantava lindamente.

- Você viu quantas cores saíam de sua boca?

- mas estou com gosto de chiclete de bola de morango....



             E eu não inventei nada disso!!! Que conversa maravilhosa, e todos estavam de careta! Ah! a vida é melhor do que um conto de fadas! 

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O segundo pedido

Deus perguntou ao homem:
- O que você quer?
- Eu preciso de dinheiro suficiente pra comer.
-É justo! disse Deus, e assim foi feito.
Tempos depois o homem voltou a orar:
- Ah, eu preciso de dinheiro pra pagar aluguel!
E Deus atendeu.
-Ah! mas agora eu preciso pagar a conta de luz,  gás, telefone!
E assim foi feito.
O homem voltou:
- Senhor, preciso de roupas para vestir!
-É justo, pensou o Senhor.
-Senhor, senhor!! Um pouco mais pro plano de saúde!
Mais um pedido atendido.
O homem volta a rezar:
- Senhor, preciso ter um dinheirinho guardado
a gente nunca sabe o dia de amanhã, o plano
não cobre tudo, pode acontecer um acidente..

Seu pedido foi atendido. Todo mês o homem  guardava um pouco até que teve uma quantia
de reserva.
-Senhor, nem só de pão vive o homem, não é mesmo? preciso de um carrinho pra ir pra lá,
pra cá sem machucar meus pés..

O tempo passou
- E o dinheiro pra gasolina, pras taxas, impostos, manutenção?
- Senhor, por favor senhor, trabalho só  pra pagar contas, nem um lazer, uma grana 
extra pra uma viagenzinha por ano, não é muito.

-É justo.. pensou o Criador
-Obrigada, meu Deus, mas sabe, se eu parasse de pagar aluguel, tivesse minha casa...

E assim foi feito.
-Ah Deus! O estudo dos meus filhos! o plano de saude deles!

Tudo foi providenciado divinamente.

- E o seguro, Deus? e se minha casa pega fogo? e se  me roubam? e o carro? tem que trocar, está perigoso, velho...

Tudo foi possível.
- Deus, senhor senhor! Móveis, geladeira,e o calor! Agora vou ficar satisfeito.

E o homem agora morava numa casa própria, com móveis, carro, filhos no colégio, uma pequena poupança.

- Deus, é o seguinte, Deus. Minha mulher precisa de chapinha, xampú, manicure, eu também quero  um tênis de marca, meus filhos, o senhor sabe como é, o celular não tira foto direito, o computador  já está obsoleto ..

E tudo foi providenciado. O homem agora parecia  estar   satisfeito.
- Deus,eu trabalho tanto pra manter isso e não tenho luxo. Ora, eu preciso viajar, conhecer o mundo! Passear, ir à Disney!  Não peço muito, uma vez de dois em dois anos dar essa 
alegria à minha família.

-É justo..
-E não se esqueça do seguro, não quero perder o que   conquistei com tanto esforço.
-É justo.. disse o Senhor

- Deus, tenho de me mudar, esse lugar é pequeno e num bairro que não condiz com minha situação, preciso de uma casa maior, um quarto pra cada filho, cada um com seu computador, uma piscina pro verão, uma sauna pro inverno e ...

Não era muito, pensou Deus, e o homem passou a morar  numa confortável
casa , com um bom carro, viajava de tempos em tempos como devia ser.

- De-eus.... uma casa na praia, Deus, ah! isso seria um sonho!
- Deus, preciso de dinheiro pra manter a casa na praia, segurança, faxina...

O homem agora já tinha gente trabalhando para ele, empregados.

- Deus, eu queria dar um apartamento pra cada filho. 
Deus, quero ajudar aos meus filhos a conseguirem seus trabalhos, montar o
consultório deles, ajudá-los a abrirem suas firmas 

 -É justo,pensou Deus, um pai pensar nos filhos..

- Seguinte, eu posso ser promovido passar a ser o presidente da empresa! Dá uma força aí!

E o homem e sua mulher agora tinham um barco para passear. Frequentavam 
restaurantes. 
-Ora, eu quero viajar no Queen Elizabeth! Quero jogar golfe, ter um trailer,
ir ao teatro, ao cinema, e joias, ah! são tão lindas!

O homem agora estava na capa da revista Forbes, hospedava-se em Dubay , fazia
pesca submarina, tinha vários empregados, ia à festas, fez vária plásticas.
Tinha um personal trainer, uma nutricionista, um motorista, segurança particular. Queria viver para sempre, tomava vitaminas. 

- Deus, eu preciso abrir uma fundação, quero ajudar às criancinhas...

E isso foi feito. 

Um dia, o homem chegou a Deus e pediu:
- Senhor, Senhor, quero a paz no mundo!

Ao que Deus ouviu, suspirou e respondeu.
-Meu filho, se o seu segundo pedido tivesse sido esse a paz no mundo , o mundo já estaria em paz há muuito tempo..

E o homem voltou pra casa em seu helicóptero e passou o resto da vida
cercado de seguranças e desejos. 

sábado, 25 de agosto de 2012

Carta aberta à jornalista Brun e seus adeptos

Recebi várias cópias de um artigo assinado pela senhora. Chamo-a de senhora, embora a foto a mostre como jovem, por conta do teor do artigo. Como trata dos jovens em geral e se exclui do grupo, concluo que a natureza da foto seja privilégio genético, já que não percebi  esforços artificiais para aparentar juventude. Então, a senhora deve ter mais de 45 anos, daí o pronome de tratamento.

O fato da senhora ter emitido sua opinião , apesar de demonstrar ausência de maior reflexão, não me causou espécie. É direito constitucional emitir opiniões, mesmo equivocadas, falhas, superficiais, parciais. Direito tanto quanto o nosso direito à felicidade. Apesar da felicidade não estar ainda na nossa constituição como direito fundamental do homem a sua busca, há vários estudos encaminhados no congresso para incluí-la. 
Pasmem: temos direito a buscar a felicidade sim e , ao consegui-la usufruí-la! 

Continuando, o que me causou espécie foi a repercussão , principalmente entre mulheres, de seu texto.  A princípio, não dei importância, mas quando uma pessoa que eu considero lúcida e bem informada assinou embaixo, fiquei preocupada. Aí, como velha senhora, educadora, mãe e ativista no que tange a felicidade, me vi obrigada a respondê-la, assim como a seus seguidores.

Logo de início há um grande equívoco: a caracterização da atual geração de jovens como a mais bem preparada e despreparada etc e tal.  De cara, dois conceitos centrais vindos não sei de onde. Em primeiro lugar, sobre que jovens estaremos falando? Sobre os jovens do interior do Brasil com enxada na mão? Sobre os guerrilheiros palestinos? E o que é ser jovem? Até 30 anos? 15 anos também vale ?  No meio do texto, a senhora responde a questão: jovens da classe média que viajam. Ah bom.  Então, não estamos falando sobre todos, mas sim de uma minoria que.. o que mesmo? Classe média! Qual classe média? O jovem de Ipanema que o pai é profissional liberal? Ou a classe média de são João do Meriti que a mãe   tem um salão de cabeleireiro ?  É importante saber sim, pois a de Ipanema tem o sucesso financeiro como direito adquirido por gerações e a do subúrbio sabe que é uma conquista diária, de um dia pra outro  a casa pode cair.

Ainda, a generalização sobre a geração. Como assim mais preparada que já houve? A minha dos anos 70 sem dúvida alguma foi mais bem preparada do que a atual. Apertar botões, mexer em tecnologia- coisa que fazemos com um pé nas costas- não é preparo: é adestramento. Pensar , refletir é preparo. Desculpe, mas quem nasceu a partir dos anos 80 não sabe o que é preparo. E olha que meus pais eram mais ainda. Estudavam  latim e grego além do francês e inglês.  A queda da qualidade educacional é um fenômeno, infelizmente, mundial. Com certo esforço eu desmonto um computador. Demoro mas faço. Mas, as bobagens que vejo escritas e faladas sobre, por exemplo,  Nitsche são irreversíveis! 

Certo, então me espanto ao ler que os jovens não se esforçam. Pelo menos os dois ou três que a senhora conhece. Já que estamos na base do achismo, do casuísmo, falando de quem a gente conhece e vê,como a senhora mesmo destaca, eu lhe digo: minha experiência é a oposta! Há 8 anos me aposentei e o que vi durante os 30 anos de magistério superior foi um grupo de jovens esforçadíssimo. Passavam noites em claro com os dedos cortados pra entregar trabalho da disciplina Plástica; estudavam longe de suas casas, muitos sem dinheiro pra condução levando bolos , brigadeiros,c alcinhas, bijuterias para vender aos colegas e assim pagar a refeição. Tinha boa vida? Tinha, mas eram raros. E mais, os meus atuais empregadores são jovens! Tudo na faixa dos 30! 

   A senhora diz que seus jovens reclamam dos chefes, dos empregadores. Que boa notícia! Cara jornalista, no nosso mundo, o nosso sucesso como empregado costuma estar diretamente relacionado à flexibilidade de nossa coluna! 
Enfim,  o texto traz vários outros equívocos de análise culpando o indivíduo de certos movimentos ou estagnações quando a causa está no sistema.    Mas aí a gente precisaria  de uma conversa bem mais longa. 
O quadro que vejo dessa juventude “classe média que viaja” é de um consumo de drogas com receita médica  que não havia na minha geração, por exemplo, tudo pra aguentar esse esforço mal pago que os confina em baias em seus trabalhos. Quando a senhora fala que eles admiram “quem passou em medicina sem estudar que ficou na balada” eu pergunto: caso houvesse um gênio assim,-  nem o Dr House fica de bobeira- , era ou não pra admirar e ser assunto de congresso e invejar?  Eles não são burros. Apesar de despreparados filosoficamente sabem que quem venceu não o fez por mérito e sim ou por ter nascido em berço esplêndido , ou por ser amigo de alguém, ou por chantagem, raro , muito raro é aquele que realmente está no topo por mérito. Deve ter um. Imagino que sim, sempre há uma exceção.  Nem a biografia do camelô mais famoso do Brasil o livra da sorte: quando Manoel de Nóbrega deu de PRESENTE para SS o baú da felicidade... É .. felicidade, essa coisa que a gente tem direito sim. E , de preferência, de papo pro ar, pois afinal, trabalho não enobrece ninguém, foi praga de Deus, lembra? Da dor do parto a gente já se livrou, agora falta nos livrar do trabalho!

E deixemos os nossos jovens buscarem a feliciade como um direito! Ralam pra caramba e odeiam seus chefes sim . Não deviam ralar tanto , deviam ter mais tempo de lazer e deviam agir contra os chefes chatos e não só reclamarem. Mas aí  já é outra história. 

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Quem é a Gina?

Sou encantada por embalagens. Sempre fui. Caixinhas viravam móveis de boneca com alguns cortes e papel de presente. (Ainda hoje volta e meia tenho a tentação de guardar as embalagens para reciclá-las em brinquedo. Aí eu me lembro que cresci e jogo-as fora). Mas algumas estamparias entravam no meu imaginário. A mocinha das passas Sun Maid, por exemplo. Eu a recortava, inventava-lhe um corpo , um nome e até arrumava um namorado de papel para ela. Tão simpática!
Descubro nesse interessante blog que o nome da mocinha é Lorraine. Lindo nome! O que será que aconteceu com ela? Será que teve uma vida feliz?








Outra amiga de infância era a  camponesa da Seiva de Alfazema da Phebo, presente constante em meusaniversários. E ela vinha acompanhada de cenário!



Ainda hoje as embalagens me encantam e me intrigam. Quem será a 
Gina? Acho que deve ser a filha do dono da fábrica de palitos. Imagino, sem trocadilho, que Gina nasceu no mesmo ano do nascimento da fábrica . Quando chegaram os anos 60, seu pai encantado pela beleza da filha, a fez ser a  própriaidentidade dos palitos. Lembro bem dessa moda de franjão e vírgulas! ( vírgula era o nome dado a esse cabelinho estranho perto da orelha, que nem dos judeus ortodoxos, mas menor) Se eu estiver certa, Gina hoje é
uma senhora  de uns 65 anos. Talvez tenha feito plástica,
pin
tado os cabelos de vermelhos e esteja gerindo a fábrica
do pai, que já deve ter falecido.
Hum.. acho que vou já já  escrever para o sac.....


Aí está a Gina!! ou melhor, Zofia. Esta é a sua foto do Orkut.
Segundo consta, está com 58 anos. 

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Partido do Luxo para Todos



Quando minha irmã era professora de português para supletivo, pediu uma redação: O que eu gostaria de ganhar. 100% das alunas escreveram "flores" ou "bichinho de pelúcia". Ninguém falou liquidificador, nada disso. A verdade é que quando se vê uma pessoa mais dura, sem grana, pensa-se sempre em coisas úteis.  Nunca na fantasia, no luxo.
E é tão necessário!




Confesso: adoro ver pessoas trabalhadoras ganhando prêmios na TV. Choro que me acabo. Vibro. Principalmente crianças, aí é um aguaceiro de quicar.

Eu assistia ao programa do Netinho dia de Princesa, também chorava de inchar e achava bacana que um apresentador negro tivesse lugar na TV. Mas , apesar dele oferecer muita coisa legal, casa decorada, roupas, plano de saúde, brinquedos, tratamento dentário e de cabeleireiro, um raio de uma máquina de fraldas e uma de pizza, era tudo MUITO brega  e simples. Em geral as princesas ficavam mais feias após os embelezamentos. Só quando passavam pelos maquiadores e cabeleireiros do programa é que ficavam bonitonas.   Os móveis eram feios de doer e daqueles que qualquer trabalhador pode pagar em prestações.  Ah.. mas o Gugu dá luxo! Eu acho o máximo! Essas fotos são exemplos. 
(eu estou falando com o coração, direto, sem parar em nenhum livro de sociologia, sem analisar o contexto etc. só a felicidade do ganhador e meu coração derretido)
Ontem vi uma família que tinha um bom terreno ganhar uma casa INCRÍVEL! A piscina era um troço, com hidromassagem, mesa... a lareira acendia com controlo remoto, os revestimentos eram de primeira qualidade, as torneiras do banheiro de luxo, moderníssimas, a decoração do quarto das crianças muito legal, cozinha com armários luxuosos, papeis de parede , casa de boneca pra criançada.. muito legal. Em determinado momento a ganhadora, que era empregada doméstica em dois empregos, de 5 da manhã às 11 da noite trabalhando pra criar 3 filhos e dois netos disse: SÓ TRABALHAR NÂO ADIANTA. 
E não adianta mesmo. 

Aí o Gugu disse: agora sua casa é melhor do que a da patroa..

Certamente é verdade. Os sofás era incríveis, confortáveis, não aquelas coisas horrorosas em forma de concha que vendem em lojas populares. Não! coisa de rico mesmo! Eu só poderia ter uma casa dessas se comprasse um movel daqueles por ano, por exemplo. Na piscina, uma mesa de sinuca que vira mesa de jantar muito legal. 

As filhas mais velhas olhavam o papel de parede admiradas.. passavam a mão no papel encantadas. Eu já vi isso acontecer. Uma vez uma amiga que morava no famoso Barata Ribeiro 200 foi estudar na minha casa e ficou um tempo sem conseguir falar, olhava tudo, passou a mão no papel de parede, nunca tinha visto nada parecido. Hoje, graças a Deus, ela está por cima da carne seca. 

Gosto disso. Gosto quando se presenteia qualidade e luxo e não qualquer necessidade. Há quem ache que tem de haver loja de pobre e loja de rico , que tem de haver diferença, que não goste de ver a popularização nos aviões, como se viajar para Europa fosse coisa só da elite! ai ai ai, que gente é essa? ai ai ai que gente má!

Uma outra vez vi o Gugu dando uma casa no Maranhão que eu adoraria fazer aqui, com energia solar, mas não encontrei referências sobre os fornecedores. E chiquérrima, muito bom gosto.
Isso! Categoria! Luxo para todos!!

Carta sobre meus princípios


A quem possa interessar:
Essa semana eliminei dos meus contatos do Facebook  uma senhora que conhecia há muitos anos porque ela se pronunciou, brincando ou não, a favor da tortura.
Tenho 57 anos. Não quer dizer muita coisa. Ainda claudico (agora de pé quebrado mais ainda) nas sutilezas do convívio humano. Sou um bebê que apesar de entender o motivo das guerras não me conformo. Sou uma menininha que não entende porque alguém faz fofoca e implica e segrega outro. Sou a adolescente que nunca entendeu porque alguém se recusaria a dançar com um rapaz só porque o jacaré da camisa dele não estava virado pro coração.
Na juventude assisti a muito filme ruim, li muito livro ruim. Porque queria aprender, saber, entender porque era ruim ou porque eu gostava do ruim. Mas também  estive perto de tudo que tinha a ver com arte.Queria saber o que havia de grandioso em Bergman, em Glauber. Li mais do que a maioria dos meus pares. E apesar de que ser culta estava na moda, isso me tornava um pouco estranha.
Ainda não dominei tudo, confesso.  Mas há certos princípios que me norteiam. Que me fazem.  Que me acalmam e me definem. 
Estou presente nas redes sociais virtuais desde seus primórdios. Percebi logo que é muito mais difícil enganar em uma comunidade virtual do que frente a frente. Em um papo de bar, alguém  faz uma piada racista, todo mundo ri, e o “brincadeira” ou “na boa” surge.  Em seguida engrenamos  um papo sobre o “politicamente correto” e tudo se esquece. No mundo virtual é diferente porque estamos no mesmo bar todos os dias e percebemos que  a tal brincadeira racista não é brincadeira: a pessoa realmente tem medo da diferença.
Foi assim com essa senhora que se manifestou a favor da tortura. Não quero estar próxima de alguém que acredita que é bom bater em mulher e torturar presos políticos.  Esta senhora foi bloqueada e nem poderá ler isso. Da mesma maneira que uma famosa senhora me bloqueou pois falei que condenava a glamourização artística que fazia em cima de um povo sofrido. Ela não gostou da crítica. Direito constitucional dela. Acho que o bloqueio fez bem a nós duas.
Assim sendo, para que ninguém se engane comigo, que já não sou a pessoa mais popular do colégio faz tempo,  aviso meus princípios:
1-      Seja como for, pobre ou rico, bem ou mal vestido, burro ou inteligente, sério ou engraçado, ignorante ou sábio, crente ou ateu, virgem ou pan sexual, se você é uma pessoa legal, do bem, eu quero ser sua amiga! Preciso de amigos , sinto falta de amigos e adoraria te conhecer.
2-      Se você é a favor da tortura, defende pedofilia (sexo  de um adulto com alguém menor que 15 anos) é racista,é homofóbico, e é “caco antibes” pois acha que pobre tem que ralar ou morrer, e ainda não está preso, por favor, nem fale comigo. Vire as costas se me vir na rua.
3-      Se você for de  extrema direita e só pense em ganhar dinheiro e viagens caras e seu sonho é ficar rico e famoso e casar com um milionário, também pode se relacionar comigo. Certamente deve ser uma pessoa divertida (sofrida ou ignorante ou burra mas divertida.) Mas se puxar o assunto saiba que vou responder, não consigo me calar.

Ainda não aprendi as artes da diplomacia. O sangue sobe, passa dia e pronto já me meto porque penso: se eu não defender o que é certo , eu que sempre me enrolei nos tapetes das regras sociais e hoje não preciso mais disso, quem é que vai falar o que precisa ser dito?
Se você leu isso até aqui e se mantém como amigo meu pessoal ou virtual fique sabendo que sou um pouco “Phoebe dos Friends,” faço os melhores biscoitos do mundo e não minto nunca. E uma das minhas características é ser a melhor amiga que alguém pode ter na vida.  
Mas isso é outro assunto. Aqui é apenas pra dividir a dor de  descobrir em alguém tão simpático e aparentemente do bem tal traço de caráter. E a vida continua!

domingo, 19 de agosto de 2012

Shame on you Giselle!

Vergonhosamente a empresa Hope (que quer dizer esperança) de roupas íntimas está veiculando um comercial com a belíssima Giselle Bundchen. Vergonhosamente pois as duas versões que vi do comercial mostram Giselle de vestido  ou outro traje aparentemente avisando ao marido que tinha batido com o carro ou acabado com o limite dos cartões de crédito da família. Aí, o anunciante avisa que ela está falando de forma errada e ela, então, repete o texto fazendo  biquinho.
O quê??!?? 
Fiquei decepcionadíssima com Giselle. Como ela pode topar fazer um comercial machista desse jeito? Também acredita no "pagando bem que mal tem?" Ora, todos sabem que ela não precisa de cartão de crédito nem carro de ninguém, ela tem grana suficiente pra tudo. Devia usar sua imagem como exemplo de mulher corajosa e trabalhadora. 

Simultaneamente a vemos em dois comerciais bem legais da SKY, em um, verdadeiramente ela diz: nunca imaginei que sairia da minha cidade do interior e conheceria o mundo todo e seria conhecida pelo mundo todo. Em outro, numa farsa, um marido improvável não dá bola pra ela enquanto ela faz faxina. Depois a gente fica sabendo que certamente enquanto o marido improvável viajava ela teve outro vendo a Sky. 

Mas parece que há Esperança, a Secretaria de Política para mulheres já está tomando providências. Dona Gisele, senhora Gisele que já é mãe, é isso que você quer ensinar ao seu filho? A cair na lábia de uma mulher de lingerie? É isso que quer passar para as jovens que te admiram, a usar a sensualidade para conseguir algo dos homens?  E senhores publicitários e empresa hope, o tiro saiu pela culatra! Uma vergonha! lembremos que a TV é uma concessão pública e o povo brasileiro não quer que suas mulheres sejam conhecidas pelo seu charme sedutor de corpo exposto! Nós temos uma presidenta, faz favor!  Em que século vocês vivem?

Uma pena que em 2011 ainda tenhamos de ter a mesma conversa dos anos 70, quando condenávamos a Margarida da revistinha do pato Donald por usar seu charme pra conseguir o que queria de Gastão ou Pato Donald, jogando um contra  o outro com o balão cheio de coraçõezinhos.   Não faz sentido algum no mundo atual. Shame, shame shame, everybody knows your name!

sábado, 18 de agosto de 2012

Agora é lei!

Meninos, eu vi!
Guardem essa data,27 de abril de 2012: o dia em que nosso País mudou pra melhor!
As cotas raciais passaram, agora é lei!

E isso é ótimo.

Pois é, cada vez que leio no Facebook alguém vociferando contra
a política de cotas raciais nas universidades, meu sangue sobe.

E não consigo deixar de pensar: " Céus! Como eu me enganei com fulana!

Ou ela é muito má (pois defende privilégios de classe e quer que 
os menos favorecidos se danem) ou é muito burra (pois acredita
em questão de mérito pra quem nunca teve condições) ou é muito ignorante,pois
não conhece ou reconhece a mudança positiva que houve nos países que
adotam as cotas e desconhecem a história do negro , e do negro no Brasil.

Passada a raiva (um pouco) repenso: mas peralá,essa pessoa é gente 

boa, é do bem, demonstra ser inteligente em vários aspectos, foi boa
aluna, estudou história, viajou e lê jornal, então certamente há algo
que ela não percebeu. E, além do mais,Angela, lembre-se que você mesma
mudou . Você já proferiu muita besteira e já defendeu muita coisa errada.
Seja humilde!

Por isso escrevo hoje aqui. Pois sinto como meu dever esclarecer em linguagem

simples porque o sistema racial de cotas é bárbaro tanto para as etnias
desprivilegiadas quanto para o país.

Antes de mais nada lembro que o sistema de cotas é algo defendido

tanto pela esquerda (pelos 5 que restaram) quanto pela direita.
A esquerda acredita que todos devem começar com as mesmas condições. 
A direita quer que os não brancos sejam bem-sucedidos para serem consumidores. 
Então, não é papo de intelectual comunista, como já li algum desinformado
falando por aí. Se fosse, os EUA não teriam abraçado a causa.

Visto isso, parto para contrargumentar a frase mais repetida daqueles

que são contra a cota: Ora, que corram atrás! eu mesma vendi revistinha
, ficava noite acordada, trabalhava durante o dia, me esforcei e estou aqui!
Essa gente quer tudo facinho, facinho."

Essa pessoa que argumenta assim esquece de algumas coisas importantes.

Primeiro acredita no mérito. Acredita que "querer é poder", quando 
se ela mesma parasse para pensar em quantas coisas ela quer , e por mais
que queira não pode, por mais que se esforce não consegue (emagrecer, rejuvenescer, ter um caso com o George Clooney,se curar,se hospedar  no copacabana pálace durante um mês, fazer gol na final da copa no maracanã, ganhar mais,ser promovida,ou até mesmo jantar
em certos restaurantes em N.Y. )ou porque não tem padrinho, ou porque o sistema é
injusto, ou porque alguém está fazendo macumba..., ela verificaria que querer não
é poder. Por exemplo: mesmo que eu escreva o melhor livro do mundo  e vá 
para o Rio de Janeiro e bata de porta em porta em editoras , isso não garante que
ele vá ser publicado, e se publicado vendido ou lido. Há muitos outros fatores, desde simpatias até modismos. Desde temas repetidos até vontade editorial. Ih, montes.
E você sabe disso! Pois você mesma , certamente, já pensou " nossa, existem tantas
músicas bonitas , tantos compositores bons e a gente só ouve porcaria na tv.." Então
você sabe que para algo acontecer é preciso sorte também, não basta esforço. Se fosse
apenas uma questão de esforço, o homem mais rico do mundo seria o meu caseiro, trabalhador, honestíssimo e inteligentérrimo. O tipo da pessoa que se tivesse tido oportunidade (como hoje sua filha tem graças a todos esses esforços governamentais) seria o dono do mundo.

Em segundo lugar esquece que o que é possível para um não é para 

outro. Se fosse assim todo mundo seria magro mas há quem realmente
não consiga emagrecer, não consiga fazer o esforço necessário. Não é
todo mundo que consegue se concentrar nos estudos feliz da vida, sem se revoltar. 

Em terceiro lugar, e mais importante,para o negro tudo é mais difícil

É aí que a coisa pega. Não se trata de uma questão social, de uma 
questão de pobre e rico. Um economista negro tem mais dificuldade 
de entrar no mercado de trabalho do que um economista branco nesse país. Mesmo que ele
tenha sido melhor aluno na faculdade do que o branco.

Agora se imagine na pele de um negro..(se pra você for difícil,assista

ao filme A Cor da Fúria e se intere do projeto Blue Eyes de Jane Elliot veja o link aqui se você fala inglês http://www.youtube.com/watch?v=XAv8JA_9uKI) 
Desde pequeno, na escola, seu apelido foi Pelé, embora não jogasse futebol.
Seu nome? Crioulo, negão,neguinho. Na melhor das hipóteses. Neguinha,
crioulinha, sarará, pretinha. 
A professora, mesmo sendo uma professora negra, no colégio, na hora de
chamar alguém pro quadro , naturalmente escolhia a criança branca. 
Na hora de buscar um copo d´água naturalmente uma criança negra.

Não acredita?

Hoje, ao ver TV, repare nos comerciais. Sim,nos comerciais, pois a
escolha dos modelos em comerciais não é uma questão de mérito e sim
de estereótipo. Bancos: banco do brasil,caixa e santander usam negros 
e brancos na mesma função.Já o comercial do Bradesco Prime, céus, dois brancos
de gravata no sofá, um negro no fundo, em pé, de camisa de malha 
escura e DE COSTAS. O do colgate é um vexame. Nenhum dentista negro e
quando surge uma jovem negra no meio de várias ela passa numa 
rapidez vergonhosa.

Ah, isso você sabe,mas você acha que cabe "aos negros " correrem atrás.

Você mesmo é negra! Você passou no vestibular sem cota! (muitas pessoas
que são contra a cota racial são negras, e dizem querer provar como 
são tão boas quanto os brancos em iguais condições de entrada.) Lembre-se que
você, então, teve o privilégio de gostar de estudar, como eu. E as leis são para o país. 


Quando queremos cotas, não estamos fazendo caridade nem acentuando 

racismo. Estamos sim nos aproximando de um estado de JUSTIçA social! 
Como essa frase diz. Se as diferenças nos rebaixam precisamos de igualdade. E nós, cidadãos , precisamos fazer alguma coisa! É para no nosso bem. 
Sim, somos diferentes.Um é branco o outro é negro. Quando queremos ofender um
branco nunca usamos como ofensa uma comparação a um animal. Urso polar?Seu branco
azedo? Seu baú de neve? Agora, para ofender um negro a imaginação 
não tem limites! E sempre em relação a sua cor da pele. 

 Desde pequeno entendem que quanto mais claro, melhor. Vide Michael 

Jackson, Angela Maria e Bionce e os cabelos louros e lisos que 
estão nas cabeças das atrizes negras. Narizes sendo afinados, cabelos sendo alisados, pele clareada para sofrer menos. Não querem ser como os brancos na aparência! querm o mesmo tratamento!!

Na música...

" O seu cabelo não nega, mulata, porque és mulata na cor. mas como a cor NÃO PEGA,
mulata , mulata eu quero seu amor"
A cor é tratada como doença!!!

" Ai meu Deus que bom seria se voltasse a escravidão, eu pegava

essa mulata e prendia no meu coração e depois a pretoria que 
resolvia a questão"

AAA!


Tente um negro chegar com um ramo de flores na mão num prédio classe média

e veja se ele não é levado pelo porteiro (em geral branco) para
a porta dos fundos.  Quantos Padres negros existem? Quantos médicos?
Como você quer que com essa condição psicológica , desde criancinha
que os negros tenham acesso ao mesmo mundo que os brancos tiveram?

As cotas não são só boas para os negros, são boas para o BRASIL. 

Nós, maioria branca,  precisamos que os negros estejam presentes em todas as profissões
e não só como jogadores de futebol ou cantores! Médicos, advogados,
porteiros, eletricistas, professores, cientistas, todas as profissões
nas mesmas proporpoções da população. 47,73% da população se declacrou 
branca. NO entanto, nas universidades, mesmo com cotas, no ano passado, 
havia MENOS de 9% de negros e pardos!!! Isso é vergonhoso!

Então, você sabe que isso não está certo. 


Tá, mesmo assim continua sendo contra as cotas. 

Então, me escreva dando uma outra ideia! E leia a frase que ilustra 
esse argumento, se não entender, leia novamente. Ela explica tudo!

Mas vai chegar um dia em que as cotas não serão mais necessárias, pois todos os alunos que terminaram o ensino médio

TODOS terão uma vaga garantida em uma unversidade pública e gratuita!
Não é sonho, na Argentina é assim!

Aí, nós seremos o país mais bacana do mundo!!

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Por que fotografo

Se eu pensar no meu pai vou vê-lo com uma máquina fotográfica na mão. Sempre registrando. Talvez seja por isso, por afinidade com meu pai, por trazê-lo de volta e mais perto.

Ele me deu sua máquina caixote, aquela caixa em uma embalagem de couro que era apoiada na barriga e o motivo era visto de cabeça pra baixo.  E, com ela, comecei a tirar fotos de ângulos especiais, de teias de aranha, de silhuetas.

Ah,mas era tudo caro e demorado. Meses  de espera com o filme na máquina pra revelar; escolher com cuidado o momento pra não perder a foto, e oH! o custo da impressão! Não, não era pro meu bico. Acabava que fotos ficavam restritas às viagens de férias e aniversários.
Mas com o advento da digitalização uau! que coisa boa! compra-se a máquina em 12 suaves prestações e sai-se por aí clicando  a vontade e vendo na mesma hora o resultado! 

Nunca me tive como uma grande fotógrafa, ao contrário de vários amigos e conhecidos. Eu sabia que eu podia fotografar um rosto bem. Para mim não há e não havia gente feia. Mesmo as pessoas mais tímidas, mais infelizes com suas aparências, eu via , e vejo, nelas uma beleza real. E conseguia, e consigo, mostrar isso nas fotos.  
Agora, longe de tudo e de todos, diariamente saio com a câmera nos meus arredores, na própria casa. E chego a tirar mais de 50 fotos por dia. Dessas, elimino um terço pelo menos. O lugar é o mesmo, o percurso é o mesmo  mas não há dia em que eu não veja uma novidade. 

 Mas, por que registrar?
Não será pelas fotos que vou me eternizar. Talvez, tempos depois que eu já tenha ido para o andar de cima, alguma foto minha possa aparecer na web atribuída a Luis Fernando Veríssimo, Einstein ou Clarice Lispector. Acho difícil, mas é possível. 

Nem mesmo tenho como organizar tantas fotos no computador, tenho preguiça de denominá-las e são tantas.. Além do mais minha máquina não é uma brastemp, muito pelo contrário. Custa 400 reais, o que é muito para o salário de 600 mas não é nada comparada às dos fotógrafos profissionais que custam tanto quanto uma moradia. E está quebrada, ainda na garantia, mas quebrada. ( o cabo de transferência não funciona, há uma  lentidão incrível no foco e veio sem tampa, coisa que improvisei com uma tampa de requeijão)

Então, porquê?

Sei que hoje fotografo bem. Não só pelas palavras de admiração e incentivo que recebo no facebook, afinal, vivemos no mundo do aiquelindismo, todo mundo elogia todo mundo com seus ai que lindos e falam mal por trás. Mas ah! minha irmã elogia. Aí sei que é verdade! Os íntimos tem uma capacidade incrível de serem francos. Como se a justificativa das alianças de casamento ou familiares desse aval para críticas das mais contundentes. Então, se a irmã elogia.. a coisa é pra ser levado a sério!

Além disso, percebo que muitas das minhas fotos fazem com que algumas pessoas avaliem seus modos de vida. Não se trata só de apreciação estética, vai além.Pensam e comentam: Será que sou feliz vivendo na cidade? Como nunca percebi que  uma simples nuvem poderia assumir tal forma? Uma formiga é assim? 
E, como o carneirinho da canção, passam a olhar pro céu e a olhar pro chão. 

Mas, por que fotografo se não é nem registro nem arte? Apenas expressão?
Também não, pois não éapenas  o produto final que me interessa: é o processo. 
Caminho como quem caça um tesouro! 
Vasculho escondidos entre matos e luzes, percebo ângulos, semelhanças, cores e tons. E me acalmo. Eu que não consigo esperar um bolo ficar pronto no momento certo, sou capaz de sentar-me durante alguns muitos minutos aguardando um beija-flor aproximar-se de uma determinada pétala. 

E os motivos? Sou atraída por arco-íris, borboletas , passarinhos coloridos e pores do sol como todo mundo. Fascinam-me as silhuetas. As formas semelhantes. O diminuto. As surpresas. 
Uma teia de aranha com orvalho ou uma chave enferrujada , para mim, trazem poesias seculares. 

Aí clico. De volta ao computador, as surpresas são muitas. Perdas de foco em motivos ímpares. Descobertas inimagináveis ! Como esse voo.

Fotografar é uma forma de meditação. Nada de mal ocorre no meu pensamento. Mergulho no mundo das imagens e das essências. Fotografar é aprender a perder. O pássaro que voa antes do combinado, a nuvem que se desfaz. E é, principalmente, dividir.  

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

A fila anda


A gente planeja uma coisa aí, de repente, um outro assunto atropela a vontade! Ainda não chegou a vez dos textos antigos. 

Ontem estive em São Lourenço e tudo mudou.
São Lourenço era o lugar aonde eu ia na infância, no verão, ficar um pouco com minha avó, que fugia dos carnavais e calor. Era o lugar dos velhos e das crianças. As crianças enchiam seus copinhos retráteis  com seus nomes gravados nas fontes das águas saborosas, riam do horrível gás fedorento,  andavam de patins, davam miolo de pão aos patos enquanto os velhinhos descansavam à sombra.
Se eu fosse imaginar uma trilha sonora para esses velhos pensaria em valsas e serestas.
As amigas de minha avó jogando cartas e comendo sequilhos com seus cabelos brancos cacheados e seus vestidos de bolinhas brancas em fundo escuro, um fio de colar de pérola e uma flor na gola.

Mas o tempo passa.
Imagino agora as velhinhas amigas da minha mãe. Todas com tailleurs coloridos, maquiadas, cabelos pintados e armados, bijuterias douradas , ainda jogando cartas, um prato de pão de queijo quentinho comprado pronto e, ao fundo, as canções dos musicais da Broadway.

Ontem, chego ao Parque das Águas em São Lourenço. A música que toca é Your Song , de Elton Jones , seguida de Live or Let Die , de Paul Maccartney.  Vamos almoçar. As sobremesas mineiras (doce de leite, abóbora, figo) em opção diet enfeitam a mesa. As velhinhas entram: cabelos punk, pintados de vermelho vivo e tatuagens no pescoço. 

Olho pra mim com meus cabelos brancos longos e despenteados, minha blusa de estamparia indiana. Meu marido com seus óculos escuros e barbas brancas e calças estampadas. E rimos. Somos os velhinhos de São Lourenço! 
Voltamos pensando nisso, de como a morte está perto. Zé Rodrix já se foi. Anteontem Celso Blues Boy e ontem o Magro do MPB4. Nossa trilha sonora em volume mais baixo.  

Olhamos um para o outro, nos demos as mãos e sorrimos monalisamente.  

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Inaugurando o blog

Olá!
Durante alguns anos usei o espaço do Multiply como home-page, blog, coleção de fotos, resenhas de livros e filmes, rede social ,  recados .. enfim, tudo o que se podia fazer na web em termos de expressão estava lá. Mas o que é bom dura pouco. E o Multiply será encerrado em Dezembro. Assim, começarei transferindo dois tipos de arquivo: o que escrevi no Multiply e o que escrevi na coluna Opinião de O Globo. 

Gosto de trocar ideias e as tenho para expor ou trocar. Vou ficar feliz em receber comentários mesmo que discordem de mim mas que tenham argumentos. 

E vamos em frente! a princípio, voltando no tempo.