quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Ode às minhas mãos


:
Desde pequena elas  me encantavam. Achava que tinha lindas mãos. Fechava, abria, virava, revirava... fascinantes!
 E como as mãos, em geral, fazem  coisas! Podem  pegar alfinetes, manusear uma pinça , trabalhar com um martelo, sinalizar, aplaudir , acariciar.
Mãos, verdadeiramente fascinantes.  Se as minhas pequenas mãos estivessem nas mãos da minha cega avó, ela as sentia com as suas mãos gordinhas e macias e dizia:  dedos de pianista! Mas minha mãe não me deixava  aprender piano. Dizia que ocupara suas mãos nas teclas por dez anos e não sabia onde era o dó. Que para aprender era necessário se ter piano. Mas nossas enormes paredes não tinham espaço para piano. Eram cobertas por telas, quadros, pratos e palavras magníficas como sancas, arandelas, marchetaria, cristaleiras, eletrola, tapeçaria, veludo, vitrais. Assim, meu pai me deu a máquina de escrever. Era menor.
Mas o padrinho tentou suprir a falta do piano com uma cítara e eu ocupei as mãos com novas palavras :partitura, palheta, cordas. E ocupei os ouvidos alheios num misto de insuspeita vingança e ilusão de artista.
Tão fascinantes me eram as mãos que meu primeiro texto publicado , escrito aos 12 anos, tinha como título “As Mãos”.  Inspirada pelas mãos da minha irmã, ou melhor, da “mamãe pequena” como a chamava. Ela  me presenteara, então,  com as palavras “datilografia, taquigrafia e estenografia.” Como a personagem do meu texto, as minhas mãos, após o curso TED,  seguraram mamadeiras e brincaram com.. ah! como são maravilhosas as mãos dos recém nascidos! E hoje, próxima aos 60 anos, olho minhas mãos com carinho. 
Estão diferentes. Mais volumosas, com  prenúncios artríticos, ressecadas, sardas senis, unhas estriadas e quebradiças. Sem esmaltes, ou verniz como diria minha mãe. Mas ainda assim, fascinantes! Agora, próxima aos 60, a morte não é mais o primo distante do qual se sabe a existência mas se duvida um pouco. É uma vizinha, alguém do mesmo bairro que me acena da janela. Ela é sábia. Foi se apresentando com flores e bilhetes. A ruga dos filhos que não nasceram próximas às sobrancelhas; as duas ruguinhas em forma de lua na lateral da boca com nomes de rei: Pedro e Carlos, e tantas outras mapeando a história . O tempo é sábio e amigo: nos dá as rugas e, também, solidário, enfraquece a vista para que não as vejamos.  Salpica neve nos cabelos e nuvens na memória para que dele não nos esqueçamos.  E ele não se esquece das mãos.   Se nas palmas as linhas da vida são longas e firmes, nas costas , como um vento na areia do deserto elas se comprimem e exprimem.
Pensei nisso tudo enquanto estendia a toalha no varal. Adoro executar algumas tarefas domésticas, assim como detesto outras. Se a vassoura me irrita, compenso com os varais. Ah! que luz! Que cheiro bom!  Que beleza os panos bordados de lembranças e palavras. Como seriam as mãos da minha avó cega antes de perder a vista tocando seu bandolim ou piano e bordando essa toalha?
Então, minhas mãos agora mais grossas estendem a  linda toalha com felicidade, assim como teclam ou acariciam os cães. Unhas irregulares de pães amassados, tintas pelas paredes, e agora, ó! Irão costurar! Antecipam a novidade tamborilando, estalando dedos, tocando castanholas, saboreando as novas palavras “chulear, casear, alinhavar, três pontinhos, ponto de cruz,ponto cego”.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Observando pássaros

Morar no mato me deu esse tempo e essa possibilidade:observar os pássaros. Essa família aí na cruz da capela é Gibão de couro. Pai mãe e dois filhotes.
Eles fazem seu ninho com pedrinhas. Carregam no bico pedra por pedra e constroem uma fortaleza.  Pai e mãe passam o ano inteiro juntos. Costumam piar alto às 6 da tarde. Seu universo é a cruz , o fio da eletricidade e duas árvores. Comem insetos e agora estão ensinando aos filhos caçarem.

Hoje eu os vi empenhados nos ensinamentos. E vi também a briga de duas canarinhas pela atenção do canário! Meu marido diz que é compreensível, afinal, o canarinho canta muito lindo, é o Roberto Carlos dos canários. Normal que as moças se rasguem por ele.
Já tinha visto várias vezes as brigas dos pássaros machos pelas fêmeas. Mas esta foi a primeira vez que vi o contrário. Esse canário já me conhece. Ele me chama quando quer comer. Mas não se sente ainda à vontade de pousar na minha mão. Já conseguimos ficar perto um do outro , assim, a menos de metro.

Ah! mas como é brigão o beija-flor tesoura! tenho 3 bebedouros e dois deles se acham os donos do pedaço! não querem dividir os bebedouros com nenhum outro beija-flor. Expulsam os visitantes a bicadas e gritos! Mesmo assim, o de rabo acanelado e o de peito branco gostam tanto da água açúcarada que arriscam.

E os gaviões? lá vem eles voando! e atrás deles ás vezes uma pequena andorinha de casa bicando, bicando bicando expulsando o comedor de ninhos! Outras vezes, as andorinhas e outros pássaros se unem em bando para expulsar. Infelizemente nem sempre conseguem. Ano passado um dos filhotes do gibão de couro foi comido por um gavião. Ah.. como choraram!

Outro pai zeloso é o suiriri. Eles fazem ninho no pomar. Avançam na gente quando passamos por lá! coitados dos cachorros! recebem bicadas rápidas e ouvem seus gritos apenas despontam!

Há pássaros preguiçosos, gostam de usar os ninhos prontos. Desde que a casa foi construída os sanhaçus aprovaram a cumieira e é la´que fazem seu ninho. Pois bem, a andorinha foi checar o ninho pronto.. talvez pensasse em alugá-lo, não sei. Ih! que confusão que foi!  Uma briga daquelas.

Ninho é coisa delicada, feita com bico. Os pássaros são grandes tecelões. E escolhem os locais que lhe parecem mais seguros. Tenho um boné com um ninho dentro..  Não há hollywood que se compare à beleza e histórias dos pássaros!

sábado, 27 de outubro de 2012

Libélula Esvoaçante


Vamos lá - se é que esse título atraiu alguém - sobre o que é que vou falar? Quem se lembra?

Desculpem crianças, se sou chata nessas lembranças, mas acontece que certas coisas realmente aconteceram e vocês perderam! E nem a Internet, que é fofoqueira, conta tudo!

Vou falar sobre um cara importantíssimo na história da cultura popular nacional, um cara que ,se fosse americano, já tinha virado filme, e que, na época de sua existência, apesar de toda sua popularidade, era desconsiderado pela intelligentzia , achavam isso e aquilo dele. E não era nada disso. Um bon vivant, sem dúvida, mas um bon vivant com ideologia, nada alienado.

Só pra vocês terem uma idéia da importância do carinha - pera lá! carinha não, acabou ficando gordão, pois gostava dos prazeres da vida! - ele é o responsável pelo lançamento de nada menos nada mais que Roberto Carlos. É! E do Erasmo, e do Ronnie Von e do Simonal e da Gretchen.

Pronto, meus colegas matusalênios, já sabem de quem estou falando?
Carlos Imperial!

Carlos Imperial conta sua história como um figurante que topava tudo: levava tapa na cara, torta, caía no chão, tudo bem, era com ele mesmo. Nascido em Cachoeiro de Itapemirim, terra do Rei, criou o tipo Cafajeste, logo seguido por Jesse Valadão. Foi faxineiro da TV Tupi, e fez tudo. Produtor, ator, diretor de cinema e teatro. Roteirista, cantor, pianista, produtor musical.
Nos anos 60 era tido como um bocoió alienado, pois nem era tropicalista nem era mpbista. Nem Chico nem Caetano. Fazia sucesso! Estourou os primeiros lugares com a canção cantada pelo mais desafinado intérprete brasileiro, mas lindo de morrer, Ronnie Von:

“A mesma praça , o mesmo banco, a mesma flores e o mesmo jardim, tudo é igual, mas estou triste porque não tenh você perto de mim.”

É autor de um dos piores versos do cancioneiro, alojado nesta canção:
“ senti que os passarinhos todos me reconheceram “

Dose, né?
Genialmente horrível.
O cara trouxe o roquenrol pro Brasil. Fez Wilson Simonal ser o rei da comunição e criou versos deliciosos (quem tem mais de 40 vai cantar junto rindo)

“Pra ter fom-fom trabalhei trabalhei”

“Eu era neném, não tinha talco, mamãe passou açúcar nimim”


Nem vem de garfo que hoje é dia de sopa
Nem vem de escada que hoje o incêndio é no porão
esquenta o ferro e passa a minha roupa
que este ano vou botar pra quebrar
sacundi sacundá sacundin cudimcundá


Ator de mais de 30 filmes, juri do Flávio Cavalcanti junto com a fantástica Leila Diniz (segundo consta, vivia atiçando-a, chamando-a para chamegos, aí um dia ela disse: vem agora, e ele amarelou! A partir desse dia viraram os melhores amigos do mundo) , Participante ativo do gostoso programa comandando por Blota Júnior, Esta noite se improvisa, programa este que nos apresentou o irmão mais novo de Maria Bethania, um tal de Caetano Veloso, e que dividia a torcida entre ele e Chico Buarque..
( Agora arrebentei: já matei de inveja toda a geração nascida após os anos 70, que só teve o Qual é a Música entre Gretchen e a turma do Tchan )

Este era o Carlos Imperial, que, não contente em ser o que era, passou a participar dos concursos de fantasia!

Uma explicação para quem nasceu há poucos 30 anos: nos carnavais, concursos de fantasia mobilizavam a minha geração . Era melhor que Big Brother com as brigas entre Wilsa Carla e o resto . Nós criancinhas adorávamos as fantasias de originalidade e eu esperava ansiosa a revista Manchete com as fotos das fantasias de luxo para vestir com roupas de rainha as minhas bonecas de papel . E era um lugar de boiola, embora essa palavra ainda não existisse, dizíamos Fifi , efeminados, frescos. Mas, num dia, sem mais nem menos, adentra Carlos Imperial vestido de Libélula Esvoaçante!
E passou a fazer parte dos concursos!

Gozador, apesar de , como eu ter dito anteriormente, não ser levado à sério pela inteligentizia, mandou um cartão de natal histórico para o presidente e os generais: uma foto dele mesmo no vaso sanitário obrando.
Isso lhe valeu 6 meses no xadrez. Seis meses em cana, deu o seu recado, fazendo-se , se não porta voz, porta imagem de grande parte do povo brasileiro.

Bravo, Imperial!

Pensa que a vida desse cafajeste-inteligente-workaoolic-produtor-músico- cineasta parou por aí?
Rá!

Com a abertura, e retorno de Brizola, Brizola organiza seu partido como o exército de Brancaleone, e apresenta não só Cacique Juruna como Agnaldo Timóteo e, é claro, para vereador, Carlos Imperial!
Ele mesmo! O cara que mandou aquele cartão cartão de natal agora está na câmara dos vereadores, pois não sairia do Rio que ele não era besta.
Vizinho de bairro, morava alí, no primeiro andar, esquina de Bolivar com Barata Ribeiro.

Morreu aos 56 anos. Não devia. Faz falta hoje
.............
Este journal é em homenagem a três jovens usuárias do multiply, três filhas de figuras importantíssimas na nossas vidas! E eu fico toda besta quando vejo seus nomes e nem acredito que estou a dois graus de separação desses ícones. Como elas são low-profile, mantenho seus nomes em silêncio, mas não de seus pais, que cada um da seu modo foi responsável por nossas coragens, abriu caminhos da criação e dos movimentos. Cada um desses nomes nos faz falar mais baixo, e ter os olhos brilhantes.Cada um merecendo um post aparte, que eu, normalmente escreveria, mas a presença de suas filhas aqui, me inibem de ternura e respeito: os já idos Leila Diniz e Paulo Afonso Grisolli, e o vivíssimo , talentoso, genial, corajoso Sergio Ricardo.

50 anos do REI

A bonitinha da Patrícia Poeta disse: Neste show , vocês podem relembrar a vida do Rei Roberto Carlos!
Não, bonitinha, não é  a vida dele: as canções mostram  a minha, a nossa vida.
Quem é quem tem mais de 50 anos que não tem essa trilha sonora na vida?
Claro que cantei aos berros Quero que vá tudo pro inferno. Me lembro até de estar na casa de avó, e olha que casa de vó é um passaporte para o passado, para o carinho  e liberdade.. Mas eu tava lá, na cozinha, ouvindo pelo rádio da empregada e berrando.

É verdade que eu não sabia exatamente o que eu estava mandando para o inferno, mas já tinha muito o que mandar. Afinal, eu e minha irmã passávamos as tardes de domingo dançando em frente ‘a TV.

Ah.. mas não foi isso..  na verdade foi aos 12 anos,  e ele era lindo! e era noite, e estávamos no clube. Conversávamos. Sobre o quê? sobre Jovem Guarda. e eu disse:- prefiro as  músicas calmas do Roberto, como as que ele termina o programa. Gosto de “nossa canção” e a outra....

Parei nas reticências, mas ele, tão lindo!, com aqueles cabelos lisos,  morenice nos seus 14 anos, olhou meus olhos e completou:- Eu estou apaixonado por você.

Era noite. Não viu que eu ruborizei, que o coração bateu forte. Só mexi na franja e meio que consertei as marias-chiquinhas, ajeitei a meia arrastão sob o vestido tubinho .

Em casa, fui dormir cantando: nessa minha vida agitada, já não tenho mais tempo pra nada, já nem posso mais pensar no amor.. No entanto, eu pensava. 

E vieram os 17 anos, o movimento cristão e , de mãos dadas, eu cantava Jesus Cristo Eu estou aqui.  No culto ecumênico do colégio, fui a cantora , e , o que melhor para unir católicos, evangélicos e judeus do que Como é grande o meu amor por você?

Mais tarde, embalei meu filho com essa canção, servindo a Deus e ao bebê, ao amor mesmo. 

Banida do Rio por planos econômicos, as crianças pequenas,as saudades grandes. Finalmente volto, chego ‘a praia e grito aos berros; Eu voltei! agora é pra ficar, porque aqui, aqui é o meu lugar! 


E o tempo passa, o casamento também,  e me pego com o coração renovado cantando ah, você tem todas as coisas que um dia eu sonhei pra mim.. 

Hoje, na Capela da minha casa , duas orações estão na parede:  a prece de Fernando Pessoa, e  Nossa Senhora. Que prece perfeita e linda! Quem não quer esse colo, essa mãe? Mesmo quem não acredita em Jesus , como filho de Deus e Deus,  quer essa mãe que nos cobre com o manto de amor. 


Ontem, voltei a dançar em frente ‘a TV. Nós dois dançando de um lado, e os três do outro.
Lá estavamo os três!  Vandeca estupenda! Mostrava as coxas! As coxas mais famosas da Jovem Guarda, ali, nos lembrando de tudo. Claro que quando Roberto e Erasmo choraram, aqui em casa nós também nos debulhamos. Que amizade bonita! Três amigos, três amigos nossos. Amigos marcados. Vanderléia, a ternurinha,que perdeu seu filho de 2 anos numa estúpida queda em uma piscina vazia, que teve o marido em cadeira de rodas, estava lá, segurando o tempo, o nosso tempo. Erasmo, o Tremendão, excelente roqueiro, viu seu amor enlouquecer, machucar e se fazer ir para o andar de cima. Ela,  musa da minhacanção “ 4 homens dependentes e carentes de uma mulher” Que linda homenagem ‘a mulher! Como a cantei! 
 E Roberto, cuja cruz podia ter se bastado na perna perdida, adquire o toque que o obriga a rituais complicadíssimos, vê seu bebê cegar, vê sua nova amada morrer na juvetude.  

Não devia ser assim! Por toda trilha sonora que nos deram, só mostram que  a vida deles acabou sendo certa, tão certa quanto dois e dois são cinco.

Quais as músicas que fazem a trilha sonora de sua vida? 

Chico Anysio Me respondeu!

(escrito há algum tempo...)Caramba! Que emoção!!
O texto que segue é de outro redator,Marcos Cesar, mas o Chico Anysio o interpretava. Escrevi para o mestre do humor  perguntando sobre dois textos e ele , educadíssimo, me respondeu. 
MEU SONHO NA VIDA ERA TER O PODER DE SER O VIDEO – CASSETE DE MIM MESMO . TER O CONTROLE REMOTO QUE PERMISSE RENASCER TODAS AS EXPERIÊNCIAS VIVIDAS.... PODER VOLTAR NO TEMPO.... PODER ACELERAR, PULAR COMERCIAS E CENAS DOS PRÓXIMOS CAPÍTULOS E PARAR A IMAGEM NOS MOMENTOS MAIS BONITOS, VÊ – LOS  DE NOVO, ETERNIZAR ORGASMOS.  = CORRER A FITA NA BUSCA DA PERCEPÇÃO DO FUTURO ...E PODER RECUA- LÁ PARA CONFIRMAR OU CORRIGIR , ENTENDE ?  FAZER UMA EDIÇÃO.... CONDENSAR A VIDA APENAS “ OS MELHORES MOMENTOS “ =  MAS UMA FITA NÃO BASTAVA : TERIAM QUE SER VÁRIAS, PORQUE EU NÃO TENHO GRANDES QUEIXAS . 
SEMPRE FUI UM OTIMISTA . CHEGUEI ACREDITAR NO PLANO CRUZADO. CHEGAR OU QUER MAIS ?  EU SOU DA GERAÇÃO
G-J , SACOU ? GETÚLIO,  GENERAL DUTRA , JUSCELINO, JÂNIO , JANGO, GENERAL , GENERAL,GENERAL....QUANDO PENSEI  QUE O G-J ÍA ACABAR COM TANCREDO ENTROU JOSÉ – ESSE DA FERROVIA – JÁ DEVEM TER OUVIDO  FALAR . 
MAS ESSE CONTROLE É O IMPORTANTE, PORQUE EU CORRO A FITA E ME EMOCIONO DE NOVO COM O NASCIMENTOS DOS MEUS FILHOS.
ADIANTO E ELES ESTÃO CRESCIDOS, A MINHA PREOCUPAÇÃO AUMENTADA : “ O QUE SERÃO, O QUE FARÃO, O QUE TERÃO NA VIDA “.  AÍ EU VOLTO, VOLTO E ME VEJO EM MARANGUAPE , EMPINANDO PIPA, JOGANDO BOLA, SOLTANDO PIÃO .... ENCACHADO NUM CAVALO DE PAU ... ALÍ EU SOU TOM MIX , BUCK JONES, HOPALONG CASSIDY, HARRY CAREY,  E VOU NADAR NU NO AÇUDE E ME VEJO PAQUERANDO SOUTIENS E CALCINHAS NOS VARAIS, ADIVINHANDO SEUS RECHEIOS .
NÃO ! ESTE CONTROLE REMOTO FAZ DE MIM UM SUPER HERÓI : - “  EU SOUULISSES. EU TENHO PODERES ! “.  
COM ESTE APARELINHO EU POSSO VISLUMBRAR UM IDEAL . E O QUÊ SERIA O IDEAL ?
  • QUE AS PESSOAS NACESSEM VELHAS E MORRESSEM CRIANÇAS . O HOMEM NASCERIA COM 80 ANOS ÍA FICANDO MAIS  MOÇO .... MAIS MOÇO ATÉ MORRER DE INFÂNCIA .
IMAGINO  UMA MÃE COMUNICANDO O NASCIMENTO DE UM FILHO . 
  • DEMOROU MAS NASCEU. TINHA ENCRUADO. NASCEU COM 84 ANOS , MAS PERFEITINHO. 1 METRO E 70, 74 QUILHOS , EU IA BOTAR NO NOME DE LUÍS CLÁUDIO , MAS ELE MESMO FOI AO CARTÓRIO E SE REGISTROU COMO HAROLDO.
 
NOS BERÇARIOS AQUELA FILA DE CADEIRAS – DE – BALANÇO , COM OS VELINHOS PIGARREANDO E TOSSINDO, SOB O CONTROLE DOS GERIÁTRAS , TODOS SE QUEIXANDO DAS DOENÇAS TÍPICAS DOS RECÉM – NASCIDOS : REUMATISMO, LUMBAGO,GOTA, ARTRITISMO ... 
NASCENDO COM 80 ANOS, VOCÊ AOS 60 SE CASARIA COM UMA MULHER DE 59, MAS E A RECOMPENSA : A CADA DIA, A CADA SEMANA , A CADA MÊS ELA SE REMOSSARIA , ATÉ SE TRANSFORMAR NUMA GATA DE 20 . ENTENDEU ?
COMEÇARIA COM HENRIQUETA BRIEBA ... A SEGUIR : XUXA     ( CANTA ) . 
E VOCÊS DOIS , DEPOIS DO CASAMENTO, FICARIAM NOIVOS, SERIAM NAMORADOS... ATÉ CHEGAR AO AMOR INFANTIL, BRANCO E DESINTERESSADO... MÃOS DADAS – NO MÁXIMO – APAGANDO DAS ÁRVORES CORAÇÕES ENTRELAÇADOS . 
VOCÊ  NASCERIA RICO, APOSENTADO E SÁBIO. COMEÇARIA A GANHAR CADA VEZ MENOS .... ATÉ ENTRAR PARA FACULDADE , PRA IR DESAPRENDENDO TUDO E IR FICANDO MAIS INGÊNUO, MAIS BURRO E MAIS PURO . 
DEPOIS... A BICICLETA, O VELOCÍPEDE. DESAPRENDERIA A ANDAR , ESQUECERIA COMO ENGATINHAR .... O VOADOR, O CERCADINHO, DO CERCADINHO PRO BERÇO ...AS FRALDINHAS MOLHADAS, 3 GOTAS DE OTALGAN PARA MALDITA DOR DE OUVIDO, O CHÁ DE ERVA DOCE PARA DORZINHA DE BARRIGA, A MAMADEIRA DE ÁGUA O PEITO DA MÀE E , NUM DIA QUALQUER PARARIA DE CHORAR. 
COM O TEMPO CORRENDO PARA TRAS A HUMANIDADE REGREDIRIA NOS SÉCULOS.  
COLOMBO E CABRAL DES – DESCOBRIRIAM O NOVO MUNDO , CHEGARÍAMOS ÀDES – INVENÇÃO DA RODA, AO DES – CONHECIMENTOS DO FOGO E DA PÓLVORA  ... ATÉ APARECER O ÚLTIMO HOMEM – ADÃO , ÚLTIMO PRIMEIRO, QUANDO , ENTÃO, DEUS PEGANDO NA MÃO , AO INVÉS DE SOPRAR SOBRE ELE... INSPIRARIA O HOMEM OUTRA VEZ PARA DENTRO DE SI MESMO . 
 

Um elefante incomoda muita gente mas o meu cabelo incomoda muito mais


Inexoravelmente, sempre que vou ao Rio alguma amiga diz:- Pinte seu cabelo! Mas porque não pinta?
Várias respostas passam pela minha cabeça:
- não pinto pois tenho medo do meu cabelo ficar feio como o seu.
- sou nobre. Só os  burgueses pintam cabelo
- tenho coisa mais interessante para fazer com meu tempo (como escrever esse blog)
- resolvi dar uma chance ao meu cabeleireiro que é Deus. Acho que ele fez um bom serviço com as orquídeas.
Dependendo de como o “pedido-ordem “ é feito, desenvolvo o assunto. Pergunto por que a pessoa em questão pinta, a resposta sempre tem  a ver com a aparência mais jovem.
 Mas eu não quero aparentar ter 50 anos! Quero aparentar os meus 53 anos!! ou será que se iludem achando que a tinta as fazem aparentar  18, ou 30 que seja?. O cabelo branco não envelhece, gente! O que envelhece é o tempo!!!
Também rola a questão da aparência desleixada. Mas como sempre fui desleixada, nem te ligo farinha de trigo.
Será que ao me verem com os cabelos brancos , além de acharem feio, ou por acharem mesmo ou por falta de costume, no fundo lembram-se dos seus próprios cabelos brancos e isso as aborrece?
Não sou como as belíssimas Julia Rodrix e Ivana Cury que sempre tiveram cabelos brancos. Tive de me acostumar com eles. Não foi fácil, juro. Mas hoje,  sinceramente, acho que combinam muito bem com as minhas rugas. Quando as enxergo , claro, já que preciso de vários óculos  para ver o  mundo.
Leio um fwd de um texto assinado por Martha Medeiros (por favor, não me mandem mais nada escrito por ela! eu acho tudo ruim e errado! aliás, como sempre há exceção, morri de rir com o texto de dois domingos atrás, arquiteto X pedreiro ) onde ela se exalta por aparentar juventude. COMO Assim?? ela nasceu em 61. Eu achava que ela tinha a minha idade.(podem comparar aí em cima) Então, não há regra mesmo. Vai ver que pessoalmente ela é diferente do que parece na TV e nas fotos.
 Podem estranhar mas é verdade: eu não quero não ter rugas, não ter cabelo branco, não ter flacidez ou celulite. Eu não quero emagrecer. Não tenho nenhuma intenção de ser imortal.Não quero ser jovem. Acho, inclusive, que aquela canção “Forever Young" seja mais uma praga do que um bom desejo.
  Eu não tenho um retrato envelhecendo por mim no porão. Gosto das minhas gordurinhas.São simpáticas. Acho engraçadíssimo  ter rugas no pescoço. Afinal, eu vi o homem chegar na lua. Eu vivi os anos 70! James Taylor falou comigo e eu fui para Machu Pichu. Usei combinação embaixo do uniforme do colégio. Presenciei e fui contra a obra do calçadão de Copacabana. Discuti se mulher casada devia ou não trabalhar fora. Fumei e parei de fumar.Tive plano de expansão de telefone. Ri dos primeiros celulares.Fiz mestrado e doutorado.  Publiquei  livros e  artigos. Tive dois filhos e já tem cabelos brancos. Casei, descasei e voltei a casar.
Como eu poderia ter vivido tudo isso sem ter cabelo branco já que não sou índia?
Já li tanta coisa! Já vi tantos filmes! Eu estava no Maracanãzinho quando Vandré cantou Pra não dizer que não falei de flores!
E fui fã de Raul. Tenho a exata idade do Rock e isso quer dizer alguma coisa.
Então, faça o que quiser porque é tudo da lei. Quem quiser pintar, pinte! quem não quiser não pinte. Quem gosta de colorir tudo como uma arara, que o faça! Quem quer raspar, raspe! E chega de padrão!  E viva a Liberdade!

De perto ninguém é normal


Esta frase é um verso de Caetano Veloso. Bem legal. Quer dizer, seria mais legal se fosse completa: mas, de muito, muito perto, tudo e todos passam a ser normais.
E exemplifico a minha tese apontando um inúmero grupo de  pessoas que se solidarizam com o bandido, já que o conhecem, sabem porque ele chegou ao mundo do crime, etc e tal.
Mas, às vezes penso que de longe também ninguém é normal.
Isso tudo passou pela minha cabeça após ver o filminho Loucos de amor, protagonizado pelo jovem gato marido da Demi Moore. No filme ele é autista,  do tipo que sabe números. Americanos gostam de números.
E ele tem uma história de amor com outra autista.
E alguns de seus jeitos me lembraram várias pessoas. Então, me dei conta que ou eu só conheço pirados, ou todos o são.
Também lembrei de Don Juan de Marco , protagonizado por  Depp. E Leonardo di Caprio em o Aviador e em Gilbert Grape. Richard Gere quase se tornou o doido de plantão: foi piradinho em  A procura de Mr. Goodbar,  bipolar em outro filme e  bandido piradão apaixonado pelo surfista prateado. Matt Demon não fez por menos : foi gay-assassino e gênio violento infeliz. Brad Pitt , muito pirado em 12 macacos. Russell Crowell encarnou o gênio maluco. Enfim, como se Hollywood nos avisasse: cuidado com o belo rosto, ele pode ser louco!
Isso sem contar com Jack Nicholson no excelente Melhor Impossível, Dustin Hoffman em Rain Man, Sean Pean , Robert de Niro em Taxi Driver, e a vida de Shine...
Imagino que se Hollywood acha que loucura dá grana, é porque os doidos estão por aí.
E doidos que trabalham, formam família, sustentam filhos. Alguns diagnosticados, como o rei Roberto Carlos e o belíssimo Beckham, e outros tantos que ainda não têm tabuleta mas nos cercam.
Por exemplo, duas mulheres que conheço aparam as rebarbas das embalagens de papelão que porventura sobrem após serem abertas em seus picotados. Consideram como um cuidado extremamente normal, mesmo ao se tornarem intolerantes e nervosas caso alguém, por brincadeiras, impedi-las de usarem suas tesourinhas. Outra, não consegue dormir sem antes esticar bem o lençol, bem mesmo, sem nenhuma ruguinha. Outra arruma a casa com constância. Arruma tanto que sua casa raramente está arrumada, já que está em permanente processo de arrumação. Outro  se incomoda caso um fio de cabelo roce seu braço, ou seja deixado em escovas de cabelo. Entenderam? as escovas de cabelo não podem ter cabelos. Quem poderá culpá-lo de insanidade com tanta higiene? Outro, apesar de adorar   música, não consegue ter cds se estes não forem da mesma gravadora. Outro acha difícil dormir se os interruptores múltiplos não estiverem virados para o mesmo lado. Precisa se levantar e verificar se estão para o sossego de seu sono. Caramba, se eu listasse tudo de maluquice com  a qual já convivi faria uma lista maneira que deixaria Melhor Impossível no chinelo!
Enfim, a famosa frase “cada louco com sua mania” parece fazer sentido. E quem convive, então, com artistas, sabe o quanto!
Por exemplo, quando o Museu de Arte Moderna passou a ser Museu de Arte Queimada, fui ver a exposição do acervo doado por Chateaubriand. Também vi a do Bispo do Rosário. Aqui pra nós, bem melhor! Isso me deixou várias questões sobre o que é arte e o que não é. Questões que ainda não resolvi de todo.
Mas o bonito do filme Loucos de Amor foi a tolerância deles aos tipos de loucura. Por exemplo, o rapaz não primava pela limpeza e organização, mas dependia de sua zona para seu equilíbrio. E ela, ao entender isso, permitiu a zona no pedaço dele. Latinhas de cerveja amassadas espalhadas, por exemplo.
Muitos casais discutem por menos do que isso. E, talvez, muitas dessas discussões sejam geradas por causa desses pequenos delizes das mentes, algumas necessidades de padrões. Recomendo , também, quem tenha tais necessidades, e sei que todas justificadíssimas, desconfie um pouco de seus  motivos, dê um crédito ‘as queixas de  seu companheiro/ra. Sabendo que são doidices, a vida fica melhor.  
Talvez eu mesma tenha algumas maluquices. Talvez algumas de minhas preferências sejam , na realidade, dependências psicológicas. Não sei, mas respeitar a do outro é sempre recomendável. Ele/ela gosta de deixar sapatos espalhados pela casa? permita. A casa é dele/dela também. Tem que ter uma ordem ao lavar os pratos, fica nervosa/o ao te ver lavando? relaxa, procurem o caminho do meio.
 E você? Qual é a sua maluquice? E que tipo de desavença ela já gerou?

Uma grosa mais um

Uma grosa mais um.

Sábado agora vi um filme do Truffaut chamado O quarto verde. Nele, o autor cultua seus mortos. Em um determinado momento ele diz que chega-se a uma certa idade em que conhecemos maior número de mortos do que de vivos.  Fiquei pensando nisso.

Coincidentemente, na Management TV, um cientista quer ser imortal. Para tanto, além de cumprir o que todo mundo já sabe para se viver melhor, toma 250 comprimidos de suplementos diários, 8 a 10 copos de água e 6 xícaras de chá verde. Fiquei pensando em que horas ele faz suas pesquisas, pois deve passar a maior parte da vida fazendo xixi. Será isso vida?
Ele quer preservar o seu corpo quando morrer, se for morrer apesar de tantos cuidados, de maneira que seja ressuscitado quando for possível.  Brrr...

Sei que existe o projeto Matusalém na Inglaterra e também li uma reportagem a respeito. Acreditam que quem nasce hoje já terá a chance de viver durante mil anos..
Mil anos..A primeira coisa que passa pela minha cabeça é que não será para todos, pois a superpolação seria caótica. Também não teríamos mais crianças no mundo.. um mundo sem crianças! Que tristeza! Guimarães Rosa diz lindamente “uma criança nasceu! O mundo tornou  a começar”. E não é?

Visto isso, comecei a contar os meus mortos. Não qualquer um, apenas aqueles que sabiam meu nome, que conversavam comigo, para quem eu também seria contabilizada se estivesse no mesmo pavilhão do manicômio que eu. E cheguei ao número 144. Muita gente.  4 suicidas, 5 desastres de carros, 5 cancer na juventude, 1 por gás durante o banho. O resto de morte morrida, idade, doenças da idade, coração etc. Mas aí, fico sabendo que um rapaz de 30 anos, filho de uma amiga, se foi esta semana. Coisa estúpida. Pneumonia.Um artista. Tocava as coisas do Tom. Deve estar lá em cima com seu ídolo trocando chapéus. Então, uma grosa mais um...

E eles me fazem falta. Todos eles. Fernando Pessoa estava errado. A sombra fútil chamada gente faz falta sim! 

Mil anos? Sem mortes, doutor? Ah! as estradas estarão mais seguras e todos nos preocuparemos mais com a saúde. Tomando 250 cápsulas por dia? Não vale, doutor, não vale. 
Mas,se eu vivesse mil anos? Teria tempo de completar o meu projeto de ler todos os livros que já foram escritos no mundo! Aprenderia piano e cantoria. Faria faculdade de veterinária e botânica! montaria uma editora de livros infantis. Abriria um canil para proteger todos os cães perdidos que por aqui passassem. 
Hum.. esqueci de um detalhe: grana!

E você? o que faria se vivesse  mil anos? 

Mentiras sinceras me interessam


Minha avó cortou a árvore que minha irmã gostava de subir. Quando minha irmã viu, e tinha apenas 5 anos, gritou: Vovó, sabe o que a mamãe disse que você era?
Minha mãe parou imediatamente o que estava fazendo para saber o que ELA teria dito.
- Que você é ME-TI-DA! 
E assim, disse o que queria protegendo-se da bronca e, ao mesmo tempo, aumentando a credibilidade. 

Acho  que já falei sobre esse tema antes, mas volto ao assunto pois esta semana recebi mais um hoax, quer dizer, mais um foward, um mail de embuste. Dessa vez foi com a Patrícia Pillar. Para quem não sabe, Patrícia Pillar é uma bela atriz casada com o político cearense Ciro Gomes. Em 2001 descobriu ter um câncer em uma das mamas. Descoberto o nódulo, identificado como um tumor através de uma ultrassonografia,  foi imediatamente operada. Como se tratava de um tumor maligno, submeteu-se a tratamento, ficou careca e linda, e divulgou a todos o seu processo para servir de exemplo ‘as mulheres. Ponto final.
Pois bem, no ano de 2002, sei lá como, um PROFESSOR divulgou  no seu blog um texto mentiroso na internet sob o nome da bela Patrícia. Neste falso texto, ela reclamaria da pouca atenção da mídia para seu problema e diz que seu câncer é um tipo raro, que começa com uma espinha coisa e tal.
Isso me deixa pasma com a humanidade. Qual o espírito de porco que inventa um texto desses ? Para quê? para três ou cinco espíritos de porcos tão pequenos quanto ele se vanglorie em seus míseros computadores dizendo rá rá peguei um bobo na casca do ovo? 
Esse texto foi de 2002, mas ele volta ao meu computador em 2008, certamente enviado por alguma alma caridosa que pretende, ao re-enviar mails recebidos, ajudar a outras pessoas. E esta é a minha segunda dúvida: porque tanta gente não checa as informações recebidas quando elas são tão importantes assim?
Meu último post neste espaço fala de Lizzie no céu de diamantes. Uma história linda, verdadeira, mágica! No entanto, alguns duvidaram. Foram checar. Será que a natureza humana é levada a duvidar só de coisas boas? Desgraça a gente nem pestaneja, acredita e passa adiante senão vira elefante?
Não, não pode ser isso, pois a primeira vez em que vi um hoax desses, e faz tempo, era para ganhar um celular erikson de graça. Lembram disso? Eu li a coisa e fiquei lá, de boca aberta. Quem me enviou era uma mulher da minha idade, nível superior, viajada. Conhecia desde pequeninha, sei que a mãe dela , como a minha, ensinou a nunca aceitar balas de estranhos. Então, como é que acreditava em papai noel desse jeito?
Não entendo. Mas ainda há outro tipo de hoax  que  me assusta. Pobre do Mário Quintana! Pobre do Borges! pobre do Drummond! Pobre do Veríssimo!e bem- feito para o Jabor ! )) o que colocam na boca  ou nos dedos desses artistas é uma loucura!
Um dia, recebi de uma amiga poeta, um texto assinado simplesmente por Clarisse Lispector, e a minha amiga enaltecia a qualidade do texto dizendo que a poetiza era maravilhosa. Bem, o texto era um POEMA. Se  é que Clarisse escreveu algum poema em algum dia na sua vida, deve ter sido lá em Recife, quando ela tinha 10 anos de idade e rasgado pra ninguém ver. Clarisse não escrevia poemas, e, caso o fizesse, dificilmente seria um acróstico. Essa minha amiga era uma poetiza das boas, formadas em Comunicação, viajada, sempre indo cobrir festivais de cinema pela Europa afora. Quer dizer, não podia clamar inocência.
Mas isso , por incrível que pareça, ainda não é o pior: uma professora de português de um dos filhos passa como dever de casa  um texto “assinado” por nada menos nada mais do que a roqueira Rita Lee falando sobre suainfância no ..pasmem NORDESTE !!!!!!!!!!!!!
Bem, não prego nem exijo que todos saibam tudo sobre tudo, mas, firmemente aconselho que, ao gostarem de um texto,  e acharem que vale a pena passar adiante, por ser útil ou belo, chequem a autenticidade. E nem mesmo é para não fazer papel de bobo, que disso a gente raramente escapa, é para evitar o reforço de mentiras.
De minha parte, caso eu  divulgue informações falsas, peço, penhoradamente, que me corrijam. E quanto a vocês? que tipo de atitude esperam? Que se diga.. hum. esse texto não é do Drummond, é do Arthur da Távola..  ou não? Cale e fique quieta?
Me deixem saber como agir. Não quero levar bronca! :-)
Como disse o Cazuza, só mentiras sinceras me interessam.


domingo, 14 de outubro de 2012

Tiffany Jones



                                             A intern
et me possibilitou realizar um sonho que eu nem sabia que tinha: ter novamente livros, canções, filmes que foram importantes em certas épocas da vida. E tudo isso por 


um preço razoável.
Por exemplo, quando criança eu li um livro , que era da minha irmã, e adorei! A autora se chamava chiquemente Sra. Leandro Duprè. E o título do livro era A mina de ouro. Um livro grande, grosso, capa dura e cor de rosa. Aliás, chegou a servir de arma, uma vez, em uma briga com a mesma irmã. Fiquei com a boca inchada e dolorida com a livrada que levei. Não, sei o porquê da briga.  Coisas de irmãs mesmo.
Mas eu adorava este livro, lia e relia. Contava a aventura de primos perdidos no centro do morro  onde havia uma antiga mina de ouro. Um piquenique que deu errado mas gerou uma aventura. Eu tinha outros livros da autora, como Vera, Lúcia Pingo e Pipoca. Mas a Mina de Ouro era especial.
Guardei o livro e  cheguei a lê-lo em voz alta para meus meninos (evitei que eles mesmo o lessem por conta do português antigo, anterior  ‘a reforma) e eles ouviam atentos, vibrando.
Eles cresceram, e o livro se encaminhou para alguma outra criança.
Como é que eu ia saber que depois de velha eu gostaria de reler A Mina de Ouro? Apesar de ainda constar do catálogo da Ática, recorri aos sebos on line.
Uma outra edição, quase de bolso, mas a história está lá.
Aos poucos, fui refazendo uma biblioteca perdida em outras.
Mas nem tudo o que era importante para mim na infância ou adolescência eu me desfiz. Aos 12 anos, a banca do Paschoal reservava para mim a maravilhosa revista Garotas. Aliás, Garôtas.  Comprava sempre. Adorava. E adorava mais que tudo as aventuras em quadrinhos da modelo Tiffany Jones. Baseada no rosto da então verdadeira modelo Jean Schrimpton.
Infelizmente a internet, para tal, não me resolveu. Parece que ninguém teve interesse em reeditar as tirinhas em livro, ou elaborar um site em homenagem.
Os desenhos eram ótimos, ela era linda, as histórias eram romances, romances que nunca terminavam em casamento, só aventuras. No fundo, a gente achava que ela iria terminar ficando com o fotógrafo Guy.  Ela aparecia sempre sensual, tirando e botando roupas, novidade dos anos 60.
 Acho que quadrinhos sobre modelos não dão ibope, pois também nada encontro sobre a LIli e a Zizi e o fotógrafo Dodô!
Bem, pelo menos salvei a existência da Tiffany Jones. Guardei todas as historinhas que saíam na revista Garotas e encadernei!

Quem é a Gina?

Sou encantada por embalagens. Sempre fui. Caixinhas viravam móveis de boneca com alguns cortes e papel de presente. (Ainda hoje volta e meia tenho a tentação de guardar as embalagens para reciclá-las em brinquedo. Aí eu me lembro que cresci e jogo-as fora). Mas algumas estamparias entravam no meu imaginário. A mocinha das passas Sun Maid, por exemplo. Eu a recortava, inventava-lhe um corpo , um nome e até arrumava um namorado de papel para ela. Tão simpática!
Descubro nesse interessante blog que o nome da mocinha é Lorraine. Lindo nome! O que será que aconteceu com ela? Será que teve uma vida feliz?








Outra amiga de infância era a  camponesa da Seiva de Alfazema da Phebo, presente constante em meusaniversários. E ela vinha acompanhada de cenário!



Ainda hoje as embalagens me encantam e me intrigam. Quem será a 
Gina? Acho que deve ser a filha do dono da fábrica de palitos. Imagino, sem trocadilho, que Gina nasceu no mesmo ano do nascimento da fábrica . Quando chegaram os anos 60, seu pai encantado pela beleza da filha, a fez ser a  própria identidade dos palitos. Lembro bem dessa moda de franjão e vírgulas! ( vírgula era o nome dado a esse cabelinho estranho perto da orelha, que nem dos judeus ortodoxos, mas menor) Se eu estiver certa, Gina hoje é
uma senhora  de uns 65 anos. Talvez tenha feito plástica,
pin
tado os cabelos de vermelhos e esteja gerindo a fábrica
do pai, que já deve ter falecido.
Hum.. acho que vou já já  escrever para o sac.....


Aí está a Gina!! ou melhor, Zofia. Esta é a sua foto do Orkut.
Segundo consta, em 2009  tinha 58 anos. 

Homens, mulheres e amor

Há muito tempo que não escrevo sobre o tema. Na época do BBS era um dos meus prediletos. Achei que já tinha falado tudo o que havia. E, se eu não tinha, zentos livros, zentos filmes o tinham.

Mas acontece que ainda vejo a infelicidade e a incompreensão na internet. E amigas ainda sofrendo "o que você acha? ele vai me ligar? fiz bem?" Então resolvi voltar ao assunto.
Também notei que quem fala sobre o assunto é, em geral, quem não entende nadica de nada. São os infelizes. Daí, não adianta. 

Antes, lembro, que estou falando sobre homens e mulheres urbanos, viáveis, normais. Claro que a Vera Fisher tem uma história diferente pra contar! Claro que o Danny de Vito também tem. Falo sobre a gente, os ok, bonitinhos até em certos dias. Normais. Não a bailarina. Nem o nerd. O nerd se casa  e se casa cedo. 

E urbanos, e classe média. Os ricos são diferentes. Os pobres também, pois os extremos não tem regras. Os primeiros fazem as próprias regras, os segundo, seguem as que podem. 

Então, vamos lá. 

Recentemente vi dois filmes que chegavam perto da verdade e ouvi do comediante Chris Rock outra verdade. Mas o comediante é levado na piada e  os filmes queriam um final feliz, e não é assim que a vida gira.Afinal,   a vida não nos dá finais felizes : a gente é que tem que fazer o nosso único  e pessoal final feliz. 

Então, didaticamente, os pontos importantes:
1-    Homens e mulheres são diferentes. Se você mulher quer um homem , lembre-se de que ele não vai baixar o assento da privada. Em verdade e verdade vos digo, se você quer um que o faça, e exigir isso do namorado, em breve você estará de saco cheio dele. Homens não baixam o assento e ,pasmem: da mesma forma que  a gente se chateia por que o assento está levantado, eles se chateiam porque está abaixado! Vale para os dois.
       Homem, se você quer realmente uma mulher, lembre-se que a gente costuma contar a nossa vida para a moça da caixa da padaria. Mulheres falam da sua própria vida! A gente pode segurar a onda por educação, mas somos assim. Se não quer que a gente faça isso, você vai ser infeliz. Aceite. Nós somos assim, a gente vai comprar um simples sabonete no supermercado e já estamos conversando com a pessoa que estiver ao nosso lado: pois é, eu estava com a pele seca,  e nada adiantava, aí uma amiga me disse.....
2-    Visto isso, a segunda parte, a respeito dos homens. O filme Ele não está tão a fim de você fala isso muito bem. Em geral, o cara se empolga, se apaixona, te manda flores , aí vocês transam, ele se empolga novamente e.... depois de um mês já cansou. Já quer outra! Não adianta tentar entender ah.. mas ele disse que no Natal eu iria com ele para Maceió... e nós estamos em Março! ele me trouxe esse ovo farbegé para a minha coleção.. Sim, ele fez isso e não está mais a fim de você! depois desse mês, ele pode até voltar a te procurar pra uma noite só. Mas é só isso. 
Escreva no caderno, lição de casa, escreva dez vezes: homens querem todas as belas mulheres do mundo. 
E não vão cansar enquanto isso não acontecer. 
Ah! e isso não é errado! não é vício, doença, falta de caráter, não!! A gente também seria assim se nos deixassem!!!  (ah.. discorda? ok, então pense no george clooney, brad pitt e em que mais você quiser, em fila, te esperando com flores e sem perigo de nada! você não vai adoecer, engravidar, ser chamada de promíscua, ser condenada por deus.. não, só usufruir. Então? os homens são assim. Bom pra eles! )

- Nós queremos o príncipe encantado, e não qualquer um. Então, como o príncipe é raro e um só, acabamos nos contentando com arremedos de príncipe. E aí, o que acontece? o romance termina e a admiração que nutríamos pelo parceiro dança. Aí viramos a chata. Reclamamos dele, fazemos pouco dele , que se atrasou, que ronca, que vê o jogo com a mão na cabeça.. não importa. Aquele cara com quem você se casou virou um chato, e, sabe porquê? como diz o comediante He was not your first choice!!, traduzindo, ele não era a sua primeira escolha, não era seu príncipe. O cara que você queria de verdade era aquele do colégio, lindo, alto, um pouco sacana, mas que olhava nos olhos , tocava violão, e ainda ia pro colégio de moto, era o chefe do grêmio, protegia os fracos e sabia brigar.  Mas... ele não estava a fim de você, aí ficou-se com o mais ou menos.  

Quando o anonimato sobe à cabeça

Na adolescência,conheci um rapaz que tinha o apelido de Pinguim. Pois um dia o colégio foi jogar futebol contra outra escola e havia no time adversário umPinguim. Pois o “nosso” Pinguim caiu em socos sobre o rival gritando “pingüim aqui sou eu!”
A internet é fabulosa. Ao mesmo tempo em que viabiliza que todos tenham a possibilidade de escrever em uma mídia, mesmo que só 5 pessoas o leiam, acaba criando a ilusão de fama em alguns pobres de espírito. Como o meu conhecido, só eles podem ser Pinguim. E seus pequenos trunfos são risíveis.
Já vi quem reinvidique para si a precedência da informação, uma loucura! 
Alguém coloca em seu blog, digamos, um  link, ou um trecho de uma matéria de jornal , e um anônimo com alter-ego louco replica: eu já tinha linkado isso no meu site. 
E daí? O que é mais importante, o assunto ou quem fez o quê primeiro? Lembra um outro conhecido que adorava contar piada e contava daquele jeito irritante, fingindo que tinha acontecido com ele. Pois se alguém contava uma piada para ele , ele desdenhava, fingia que já conhecia!
Ah.. os pobres de espírito.. Certamente há algo errado na tradução do Sermão das Montanhas!

Então por causa desses pequeninos seres, outros, já prevenidos, se vêem obrigados a aumentarem desnecessariamente sua grandeza pedindo permissão, como se isso fosse necessário, para também usar a informação que é de todos. Gentilíssimos. Quando isso ocorre comigo, minha resposta é LÓOOOGICO, nem precisava. Pois não precisa mesmo. Quem quiser copiar o que escrevo para divulgar para o bem ou para o mal tem direito de fazê-lo mesmo sem o selo do criative commons pois seria muita pretensão minha considerar qualquer coisa que faço como original.

Ora, seja um desenho, uma foto, uma frase, um artigo, um livro, seja o que for, mesmo que eu tenha feito sozinha trancada em um quarto, não me pertence. Eu não cheguei sozinha até lá . Cheguei lá porque estudei em livros de diversos autores, que, por sua vez, o fizeram em livros de tantos outros.Cheguei porque tive a sorte, o privilégio de nascer sob mantos de pessoas que pagaram minha educação.  Se desenho assim ou assado é porque li, vi coisas que outras pessoas fizeram, conversei com um tanto de pessoas e comi de café da manhã um cereal que também não foi plantado por mim. Enfim, não pode ser atribuído a mim. Eu não sou melhor do que ninguém: o que faço qualquer um pode fazer. 

Assim, direitos autorais, propriedade intelectual, rá! tudo isso é balela. O ÚNICO DIREITO AUTORAL QUE REINVINDICO FINANCEIRAMENTE É QUANDO ALGUM TEXTO , DESENHO O QUE SEJA, QUE EU TENHA FEITO ESTEJA SENDO USADO PARA GANHAR DINHEIRO.  Isto é, se uma editora vende meu texto, eu também ganho uma porcentagem sobre o preço da venda. Mas se é de graça, não ganho não. 
Por exemplo. Há anos, uma instrução programada que fiz, criei, para crianças sobre trânsito  como parte da disciplina Instrução Programada, acho que nos tempos de graduação, não lembro, talvez fosse no mestrado, chegou ‘as mãos de alguém do DETRAN. Falaram comigo e o meu trabalho foi usado como treinamento de guarda-mirim. Graciosamente, nem autorização escrita eu dei, nada de nada. Ganhei flores, muito gentis. Isso é o que importa! 

Discordo da famosa frase de Cacilda Becker “ não me peça de graça a única coisa que tenho pra cobrar”  Mesmo que fosse verdade que um ser humano só possa cobrar o que venha da sua atuação.  
Acho absurdo, antiético, antihumano, vergonhoso mesmo o fato de um cara só porque escreveu uma canção (como Feelings ou Imagine) nunca mais precisar trabalhar na vida. 
Por outro lado, é impressionante a cara de pau de quem quer que todo artista trabalhe de graça.
A coisa é simples: você vai ganhar dinheiro com o uso do meu trabalho? então tem que pagar e de acordo com o que você vai ganhar. Se algum dia a Coca cola quisesse usar algo  meu  teria de pagar e muito. Mas a festa de caridade do asilo da cidade do interior , mesmo ganhando algum, pra ela é de graça, eu pago pra fazer. 

Simples, não?
Ah.. o mundo pode ser melhor.

E o que vem a ser o título? é exatamente sobre a internet e seus blogs e imagens e coisas assim. Se alguém usar algo em seu blog tirado de outro, que dê o crédito. Só isso. Basta. Ética.  É para isso. Recentemente uma americana mal educadíssima me escreveu para proibir o uso de coisas do seu site – coisas não originais, sobre uma escritora, imagine, mesmo com link, referências à sua autoria, em uma comunidade daqui que eu gerencio.  Ela me escreveu dois dias após eu ter postado, logo a louca deve ficar checando o seu nome diariamente.  O anonimato subiu-lhe à cabeça!